A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO DA INTELIGÊNCIA

Antes de falar sobre a importância dos jogos, gostaria de deixar bem claro o significado da palavra, para evitar equívocos de interpretação. A palavra “jogo” provém de “jocu”, substantivo masculino de origem latina que significa “gracejo”. Etimologicamente falando, a palavra expressa divertimento, passatempo, brincadeira sujeita a regras que devem ser observadas quando se joga. Significa também balanço, oscilação, astúcia. Podemos então concluir que todo jogo verdadeiro é uma metáfora da vida. No entanto essa reflexão exige cuidado: a palavra jogo precisa ser entendida como um estímulo ao crescimento, como uma astúcia em direção ao desenvolvimento cognitivo e aos desafios do viver, e não como uma competição entre pessoas ou grupos que implica em vitória ou derrota.
Vamos nos reportar agora ao nosso cotidiano. Por que será que mães ainda grávidas, já demonstram cuidados com a estimulação de seus bebês, comprando brinquedinhos para pendurar nos berços?
Em geral toda criança tem brinquedos. É que todos sabem que crianças gostam de brincar. Mesmo as mães menos informadas sabem que os brinquedos “distraem”, “envolvem os filhos”, e os “acalmam”. Mas nem todas as pessoas sabem efetivamente qual é a importância real dos jogos.
O jogo, em seu sentido integral, é o mais eficiente meio estimulador da inteligência. “O espaço do jogo permite que a criança, e até mesmo o adulto, realize tudo quanto deseja. Quando entretido em um jogo, o indivíduo é quem quer ser, ordena o que quer ordenar, decide sem restrições.” Enfim, ele está ali presente por inteiro, de forma autêntica. Assim a criança pode obter a satisfação simbólica do desejo de ser grande, do anseio em ser livre. Sob o ponto de vista da socialização, o jogo permite e impõe o controle dos impulsos, a aceitação de regras mas sem que se aliene a elas, isto é, se as regras são estabelecidas pelos que jogam, evita-se o perigo da imposição de regras e de estruturas alienantes. Assim, brincar leva a criança a tornar-se mais flexível e buscar alternativas de soluções. Brincando, a criança se envolve na fantasia e “constrói um atalho entre o mundo inconsciente, onde desejaria viver, e o mundo real, onde precisa conviver.” Estimular uma criança é alimentar a sua inteligência e os jogos são instrumentos valiosos de estimulação. Sem eles a criança cresce com limitações e seu desenvolvimento fica extremamente comprometido.
Às vezes ouço pais dizerem que não têm tempo para brincar com seus filhos. Para estimulá-los não precisamos ficar plugados a eles o tempo todo mas, é importante ter em mente e à mão alguns recursos para que sejam usados com seriedade. Joga-se com a criança, quando com ela se conversa, mas também joga-se quando se passeia, quando se anda de carro no caminho da escola, quando se assiste televisão ou quando se propõe interações com avós e tios.
Outra atitude importante no desenvolvimento de uma criança é a observação. Observar a criança quando brinca e, fundamentalmente, anotar os seus progressos, ainda que simples. A partir daí pode-se programar, reprogramar e criar situações que propiciem o desenvolvimento de novas estruturas mentais.
 
Consuelo Carvalho de Araújo - Pedagoga especialista em educação
Ao divulgar, seja gentil. Cite o autor e a fonte. A cultura agradece!